terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Obrigado, 2010!

Amigos prezados,

Creio que poucos de nós, vivendo nossas experiências aqui na Terra, poderão chegar ao término de um ciclo sem ter muito o que refletir, observando erros e acertos.

De minha parte, sei que eu poderia ter sido muito melhor em muitas coisas, poderia ter me dedicado mais a atividades úteis, poderia ter sido um cidadão melhor, poderia ter sido melhor com as pessoas que estão à minha volta.

Mas... a gente faz o que consegue, e o desafio é sempre superar nossos próprios limites, geralmente tão acanhados.

Deus nos deu, quando fez a Terra girar em estações em torno do sol, a oportunidade de aproveitar ciclos bem definidos para melhor balancearmos nossas percepções sobre nós mesmos. A própria "invenção" do tempo tem essa função, e é assim que utilizamos o dia, a semana, o mês, o ano, enfim, para observarmos didaticamente a nossa caminhada.

2010 foi, para mim, um ano com frustrações e muitos outros percalços, como creio que para quase todos. Mas foi também um ano muito importante, de marcação de importantes posições e perspectivas.

Tenho muito a agradecer à vida, aos amigos encarnados e desencarnados que estão sempre nos incentivando, contribuindo para que não desistamos de dar o melhor de nós. Em especial, agradeço à oportunidade de trabalho do Viajante do Universo, a meu ver amadurecida neste 2010.

A música tem sido valiosa oportunidade de manter acesa a chama da conexão com algo superior, algo de que jamais devemos nos descuidar, ainda quando a vida se apresenta nublada.

Que 2011 seja um ano brilhante para todos nós! Que possamos realizar o pouco que nos compete de maneira cada vez mais dedicada, mas sem jamais esquecer a simplicidade da nossa proposta, essencialmente calcada no ideal de propagação da Boa Nova de Jesus, em sua maior pureza.

Obrigado a todos que visitaram esse espaço simples de comunicação e ajudaram a torná-lo um ambiente de amizade e conversa, de trabalho e difusão de ideias que nos ajudam a trilhar nosso caminho.

Encerro lembrando versos da música Mar da Vida, do nosso amigo Allan Filho, e estendo meu abraço fraternal a todos:


"Vai, enfrenta as tormentas de além-mar
Iça as velas da coragem pra lutar e ir além
Com o instrumento que se chama amor".

.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Em cada coração, natural é só falar do amor...


(Clique sobre a imagem para ampliar)

Queridos amigos,

Graças ao carinho de todos vocês e à colaboração inestimável e dedicada de companheiros como Roney, Celso, Tim, Vanessa, Sader, Luiz Henrique, João Paulo Lanini e Lucas Alves, 2010 foi um ano muito importante para o "Viajante do Universo".

A impressão é que tudo vem amadurecendo de maneira natural, e isso se comprova pelas quase 50.000 visualizações dos nossos vídeos no Youtube, pelo crescente acesso ao nosso site e pelos gentis convites que recebemos para estar em diversos eventos e casas espíritas.

Foi assim que visitamos, neste ano, Belo Horizonte, Nova Lima/MG, Três Rios, Vila Velha, Uberaba, Cataguases, Leopoldina, Bicas, Itaperuna, Barra Mansa, São Bernardo do Campo, além das atividades realizadas aqui mesmo em Juiz de Fora.

São muitos amigos, novos ou antigos, reais ou virtuais, desses e de muitos outros lugares do Brasil ou do mundo, e a todos vocês oferecemos um abraço apertado e a gratidão pelo carinho com o nosso trabalho.

Nossos votos de Feliz Natal se materializam por meio desse cartão de Natal e da música que oferecemos a seguir, na esperança de seguirmos ampliando nossa sintonia no ideal da arte que espalha o bem.

Clique aqui para ouvir a música "Ele em tudo está", e clique aqui para baixar a cifra.

Feliz Natal e um 2011 cheio de realizações!


P.S.: Em tempo, cabe anotar que na gravação de "Ele em tudo está" estamos cantando eu e a Vanessa, e todo o resto foi elaborado pelo Luiz Henrique. Já o cartão de Natal foi elaborado pelo Lucas.

P.S.2: Para quem não viu o post anterior sobre essa música, segue o link para um vídeo de "Ele em tudo está: http://www.youtube.com/watch?v=gdkH3w2i19U

domingo, 5 de dezembro de 2010

É Natal...

Amigos,

O Natal está quase chegando. Entrar no clima pode fazer muito bem pra gente, não é?

Recebam, a seguir, o cartão enviado pelo site Viajante do Universo àqueles que possuem e-mail cadastrado para o recebimento de novidades. E vejam também o vídeo da nova música, "Ele em tudo está", feita em lembrança do Natal.

Daqui até o dia 25/12 teremos mais novidades. Aguardem!

(Clique no cartão para aumentar)






Para acessar a cifra da música, clique aqui.


quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Próximos eventos

Olá, amigos.

No próximo sábado, dia 04/12, ocorrerá o Seminário "Família, União e Coração", na União Espírita Mineira, com exposição de Célio Allan Kardec de Oliveria.

Participará também a dupla Tim e Vanessa e eu estarei lá pra prestigiar! A seguir, confira os detalhes no folder:



Já no dia 11/12 teremos outros dois eventos muito legais. Eu gostaria e muito de estar em ambos, mas infelizmente não será possível. O primeiro é o "Cantos e Encantos", que vai ocorrer em Juiz de Fora, com a participação de muita gente bacana aqui da Zona da Mata mineira. Eu também estarei por lá. Confira os detalhes no cartaz?


O outro evento ocorrerá em Belo Horizonte e vai contar com a participação de Tim e Vanessa, Cacau, Meu Cantar, Verbos de Versos, Grupo Segredo e Grupo Pilares. Poxa, só Deus sabe como eu queria poder rever todos esses amigos nesse "Cristo em Canto", uma cantata de Natal. Então, se você puder, não perca a oportunidade e apareça por lá:



É sempre bom termos tantas opções legais de eventos. E esses, pelo visto, já serão ótimas formas de aproveitarmos o clima de Natal que está se instalando, não é?

terça-feira, 16 de novembro de 2010

João Cabete em dose dupla

É muito bom andar por aí com a música "dita" espírita (digo dita, porque sabe lá se existe essa definição).

Muitos se queixam das dificuldades de introduzir a música nas casas espíritas. Alegam obstáculos múltiplos, e quem sabe eventualmente terão razão.

Apesar disso, as coisas hoje parecem muito mais fáceis do que foram para os nossos precurssores. Tim e Vanessa, por exemplo, e às vezes mesmo sem saber, têm aberto mil portas de casas espíritas que, conhecendo seu trabalho, passam a olhar com outros olhos os jovens com seus violões.

Mas fico pensando o que seria da música que fazemos hoje nas casas espíritas sem o trabalho de João Cabete. Desde a década de 1940, salvo engano, ele veio trazendo à lume belíssimas canções que ao longo de todos esses anos tem sido, em vastíssimos casos, as desbravadoras das casas espíritas, mostrando que a formação de um ambiente adequado para nossas atividades pode ser muito favorecida pela música.

É incrível. Sua obra é vastíssima, as músicas de excelente gosto, providas de mensagens absolutamente inspiradas e coerentes com a obra do Cristo. Eu arriscaria dizer que Cabete fez para a música espírita o que o Chico fez pela literautra. Não é àtoa que ele é, e deve continuar sendo, referência de qualidade para o que se faz atualmente.

Para brindar a lembrança desse trabalhador tão dedicado, disponibilizei nou Youtube um vídeo do nosso querido amigo João Paulo Lanini, da cidade de Bicas, interpretando a música "Fim dos Tempos", de João Cabete. Aconteceu na última Mostra de Músicas Espíritas de Leopoldina, que tivemos em setembro último, evento muito gostoso.

Esse momento foi emocionante.

Veja que as pessoas não resistem e começam a cantar em coro, acompanhando o violão, além de aplaudirem efusivamente, ao final. Foi tudo muito bonito, e é por isso que convido-os a ver:



Além disso, ontem vi outro vídeo lindíssimo, também disponível no Youtube. Na edição, sobre o áudio original de Cabete vai entrando um arranjo novo, inlcuindo uma bela voz e uma suave flauta, feitos por netos do nosso menestrel da música espírita. Há ainda fotos antigas do Cabete, enfim, o vídeo é muito bonito:



Ademais, quem não conhece ou quer conhecer mais o trabalho de João Cabete tem muito do que se servir:
Clique aqui para ver uma breve biografia de João Cabete.
Clique aqui para conferir várias de suas músicas em mp3, em versões originais, por ele mesmo.
E clique aqui para baixar um songbook com as cifras de suas músicas.

De nossa parte cumpre apenas estender o nosso abraço carinhoso, fraternal e agradecido àquele que tanto fez pela doutrina e tantos corações acalmou com suas belas canções. Imaginamos que, de onde estiver, deve estar oferecendo inspiração a quantos se dediquem com afinco à divulgação do Espiritismo pela música e à pacificação do homem pelo Espiritismo.

"Vem, Senhor, com teu amor tão profundo
Iluminar consciências e fazer feliz o mundo" - João Cabete

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

A genética e o espírito

Nessa semana, uma notícia veiculada por agências de internacionais em vários sites me chamou a atenção para uma velha questão.

O título era mais ou menos o seguinte: "Cientistas acreditam ter descoberto o gene da generosidade".

Para ver uma das versões completas da matéria, clique aqui. Mas faço a seguir um breve resumo, para depois tecer não menos breve consideração sobre como pode ser a relação entre os genes e o espírito.

O caso é simples: na experiência científica, pesquisadores deram pequena quantidade de dinheiro para cada voluntário, que tinha a opção de doar parte do montante. Depois, analisando os resultados, os cientistas perceberam que os portadores desse tal gene doaram o dobro das demais pessoas.

Bom, se essa experiência foi bem fundamentada e se encontraram o gene certo, eu não faço ideia. Mas também isso não é o que me chama a atenção e pretendo discutir.

O caso é que sempre surgem notícias de pesquisadores relacionando determinadas características, comportamentos ou tendências das pessoas, como essa da generosidade, à presença de certos genes.

Daí, pergunto: e como fica o espírito, nessa história? Afinal, somos determinados pelos fatores biológicos? E o livre arbítrio?

Ao meu ver, a possível resposta a essa indagação é até simples, pelo que vale expressá-la.

Ora, sem dúvida temos genes que nos determinam certas características, nos indicam as tendências. Mas o que determinou esses genes, antes que eles existissem em nós? O acaso? Não!

Foi o nosso próprio espírito!

Quer dizer, quando são juntados o gameta masculino e o feminino numa fecundação, estão disponíveis milhares e milhares (quem sabe milhões) de combinações genéticas, a despeito de serem aquele pai e aquela mãe. Como são escolhidas as combinações? A lógica da nossa própria concepção sobre "que é Deus" indica que aleatoriamente é que não pode ser.

Isso abre espaço para vermos na influência do espírito no seu próprio processo de reencarnação (consciente ou não) o indicativo desses "dados" genéticos. Ou seja, são as próprias experiências e necessidades do espírito reencarnante que "atraem", por assim dizer, a formação biológica mais proveitosa para aquela vivência que se inicia e, assim, é constituído aquele novo corpo.

Afinal, o corpo humano é instrumento da evolução do espírito e poderá proporcionar, na condição de veículo do mundo físico, um sem número de condições norteadoras das vivências.

Da pra imaginarmos um sem número de razões pata que nossas características sejam exatamente como são. Mas o mais importante é frisarmos que o nosso corpo é constituído e se mantém a serviço da individualidade, e não o contrário.

Afinal, o espírito é pré-existente ao corpo e seria ilógico que fosse por este determinado.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Meu "camarada" finado

Hoje, 2 de novembro, celebra-se o "Dia dos Finados", ou "Dia dos Fiéis Defuntos".

No seio da tradição católica, a celebração remonta às mortes dos mártires do cristianismo, cuja memória era cultuada pelos seguidores sobreviventes do Cristo, que assim se encorajavam ante as adversidades descortinadas para os crentes da primeira hora.

Mas esse culto não foi exatamente uma novidade. Mesmo os romanos tinham no culto aos antepassados importante prática social (confira clicando aqui). Com essa convicção, fica clara a crença na continuidade da vida após a morte do corpo.

A própria lógica do feriado de finados deriva da crença de que a morte não põe fim à vida. Lembramos as almas afins que nos deixaram porque acreditamos na possibilidade de conexão com elas, direcionando, assim, o nosso respeito, saudade, admiração, lembrança...

Ou seja, a sobrevivência do espírito é ideia largamente aceita, há muitos séculos e pela maioria das crenças. O que Kardec fez, e com maestria, foi sistematizar o entendimento, dar nomes, compreender melhor os fenômenos, e demonstrar que a sobrevivência da alma e a reencarnação, por exemplo, existem para cumprir uma finalidade Divina e obedecem às leis naturais.

A propósito, cabe assinalar que o inglês Thomas More, no livro "Utopia", publicado em 1516, assim narrou sobre Utopia (uma cidade imaginária, centro das narrativas do referido livro, e que seria um local muito melhor do que o que se conhecia na Terra):

"Quase todos os utopianos alimentam a convicção íntima de que uma felicidade imensa aguarda o homem além-túmulo. É por isso que choram pelos doentes e jamais pelos mortos, excetuando o caso em que o moribundo deixa a vida inquieto ou a contragosto."

"Os mortos (...) assistem às conversações dos vivos, ainda que invisíveis ao pequeno alcance dos olhos dos mortais."

"Por conseguinte, segundo as idéias utopianas, os mortos se misturam à sociedade dos vivos e são testemunhas de suas ações e palavras."

Muito bem. Eis a característica da Verdade. Ela será revelada a todo o tempo, por toda a fonte, e retumbará cheia de sentido, dentro de nós.

Assim, nós, que acreditamos na continuidade da vida após a morte, podemos lembrar das almas queridas e já falecidas com especial carinho no dia de hoje. Não cultuamos túmulos, mas lembranças e vida, de quem, não duvidamos, segue vivo em algum outro lugar.

Podemos fazer isso, quem sabe, reverberando os versos da linda música "Camarada", da autoria de Willi de Barros, que às vezes parece reproduzir um dialogo entre nós e aquele nosso camarada já desencarnado, mas que sentimos perto de nós:

"Já não lembro de você
Seu rosto se dissolveu na memória
Mas com te esquecer?
Como não te lembrar dentro do coração?

E quando parti deixei
Tesouros de afeição no caminho
Difícil é descrever
A saudade que vem se me sinto sozinho

Espera, meu amigo, que um dia ainda vou voltar
Às vezes imagino quando é que eu vou te reencontrar, te reencontrar...
Tenho tanto pra te contar do que aprendi aqui
Mas sei que nem preciso porque estás bem aí, perto de mim

Meu amigo do peito, camarada
Amigo do peito, camarada..."

Esa música tem uma belíssima gravação no CD "Tempo Dominó, da nossa amiga Cacau. Para os que não conhecem, fiz o vídeo a seguir. Para baixar a cifra, clique aqui (está um tom abaixo do tom que eu toquei no vídeo).



PS: Fico devendo um post sobre o livro "Utopia" e sua perfeita compatibilidade, ao meu ver, com a Doutrina Espírita.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

23 e 24/10/2010 - Uberaba, Vila Velha e a "Nova era"

Prezados,

Foram especiais os dias 23 e 24 últimos, sábado e domingo.

No sábado, estive em Uberaba, participando da 47º COMMETRIM - Confraternização das mocidades e madurezas do Triângulo Mineiro, onde conheci também um grupo muito bacana de Uberlândia, o Intergarte.

Clique aqui para ver algumas fotos.

No domingo, estive em Vila Velha. Primeiro, uma cantoria com os amigos do Grupo de Canto Irmão Amadeu, no Grupo da Fraternidade Jerônimo Robeiro. Depois, uma participação no show cheio de energia do Grupo BEM.

Clique aqui para ver fotos desses dois eventos em Vila Velha.

Que gostoso foi tudo! Pra mim foi uma alegria enorme estar nesses eventos, conviver com um monte de amigos antigos e novos, ver ao vivo alguns que antes eram só virtuais. Pensem na minha situação: você sai de casa e encontra um monte de gente na sintonia desse trabalho musical voltado para a mensagem de bem, amizade e fraternidade, com tantos focos pelo Brasil a fora. É um privilégio.

Agradeço muito a todos pelo carinho enorme com o Viajante do Universo e pela amizade.

Aproveito pra contar que já coloquei no Youtube o vídeo da música "Nova era", do DVD da Comebh, conforme prometi aos amigos da Commetrim. Aproveitem!

E que continue sendo possível estar ao lado de tanta gente bacana. O ano de 2010 foi muito profícuo nesse sentido, e se Dues permitir, que seja possível continuar na disseminação desse trabalho.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Livro dos Espíritos - Edição de 1924

Olá, amigos.

Como muitos dos leitores deste blog sabem, meu avô se chamava Jair Soares e viveu entre 27/02/1910 e 02/08/1992, tendo nascido em Teixeiras/MG e falecido em Belo Horizonte, onde viveu a maior parte de sua vida.

A história que conheço diz que ele, ainda adolescente, trabalhou num armazém de "Secos e Molhados", situado em cidade diversa da que ele residia, o que o obrigava a pernoitar no estabelecimento.

Por isso, alguns clientes e amigos deixavam com ele algo que pudesse ler e passar o tempo à noite, etc.

Foi então que, em 1925, quando ele tinha 15 anos, uma tal "madame Raposo" o presenteou com um Livro dos Espíritos, editado em 1924. Lendo este livro, ele se tornou espírita.

Este exemplar raro do Livro dos Espíritos, editado há 86 anos, é algo que guardo com muito carinho. Por isso e para registrar e dividir, tirei algumas fotos e posto a seguir, para conhecimento dos amigos.

Reparem a grafia bem diferente de muitas palavras e o escrito feito pelo meu avô, registrando a origem do livro.





sábado, 16 de outubro de 2010

Passarinho azul e agenda

Olá, amigos.

Na semana passada aproveitei a visita da minha sobrinha Isabela aqui em Juiz de Fora e gravei um vídeo com ela. A música é "Passarinoh azul", uma das que pretendo incluir no CD de músicas voltadas para a infância que planejamos para breve.

Além disso, aproveito para dizer que no próximo sábado participarei da noite artística da Cometrim, encontro de mocidades do triângulo mineiro, e no próximo domingo estarei na apresentação do Grupo BEM, em Vitória/ES, no teatro do Marista.

Serão momentos especiais, com muitos amigos! Quem puder estar conosco será muito bem vindo.

Abraços e, a aseguir, o vídeo.

object width="400" height="325">

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Quando eu penso em Jesus

Olá, amigos.

Aproveito o feriado pra postar mais uma das músicas cantadas no lançamento do CD "COMEBH - 25 anos".

É "Quando eu penso em Jesus", belíssima canção também de autoria do Willi de Barros. Como vocês poderão ver no vídeo, foi uma energia gostosa demais, o público cantando, todo mundo envolvido, enfim, foi um encerramento com chave de ouro de um fim de semana gostoso demais.

Ainda bem que está o registro aí pra quem não foi poder aproveitar um pouquinho.

sábado, 2 de outubro de 2010

Encontro - DVD Comebh 25 anos (Oh, meu avatar!)

Olá, amigos.

Ontem, com a sempre precisa e diligente ajuda do nosso amigo Sader, postei no youtube o clipe da música Encontro, popularmente cnhecida como "Avatar", constante do DVD "Comebh, 25 anos".

Comebh, a propósito, é a Confraternização de mocidades espíritas da cidade de Belo Horizonte.

Esse show aconteceu no início de 2007. Vários músicos espíritas de BH e região foram convidados a cantar as músicas que haviam sido selecionadas para o CD comemorativo realizado pelos 25 anos da Comebh.

Acontece que o show de lançamento do CD foi gravado e tudo acabou virando um DVD muito legal. Nesse show, além das músicas do CD, tivemos 3 músicas extras, que foram Encontro, Quando eu penso em Jesus e Juventude e Vida.

Já estão há um bom tempo no meu canal do Youtube as duas músicas que eu cantei nessa apresentação, que foram "Apenas Amar" e "O Dom de prosperar", cujos vídeos podem ser vistos clicando-se aí nos nomes delas. E pelos próximos dias, pretendo colocar mais algumas músicas do DVD.

A seguir, a música Encontro.

sábado, 25 de setembro de 2010

Mais sobre o filme "Nosso Lar"

Olá, prezados.

Ainda sobre o filme Nosso Lar, reproduzo a seguir os apontamentos de um amigo muito querido que recebi por e-mail. Trata-se de Gilberto Vieira, mineiro radicado no Acre, médico homeopata e entusiasta da Fraternidade.

Minha sintonia com as ideias dele não é nada rara, e sempre me sirvo dos apontamentos por ele produzidos, estejam já publicados ou não. Dificlmente saio de casa, quando vou fazer algum estudo, sem ler algo que ele tenha escrito. Por isso, achei relevante dividir essa reflexão aqui nesse espaço.

A seguir.

-----------------------------------
"Atravessamos um período de extraordinária divulgação relacionada ao espiritismo, destacando-se os filmes sobre Chico Xavier e sua obra Nosso Lar, e a consequente repercussão na mídia.

Conquanto propagar da doutrina espírita por todos os meios possíveis seja um dever que compete a todos nós, é justo ponderar sobre alguns riscos inerentes ao fenômeno.

A história nos ensina que a difusão do cristianismo, vencendo obstáculos e perseguições tremendas, alcançou contornos geográficos impressionantes.

De culto vil ergueu-se a religião oficial do Império Romano, e transmitiu forças ao Vaticano que o fazem sobreviver como único remanescente daquele fastigioso poder. Entretanto, sua consolidação no mundo custou-lhe a perda das virtudes peregrinas que lhe constituem a essência.

O Evangelho pregado nas mais diferentes latitudes contém mutilações e distorções que quase impedem de se ver a luz verdadeira que dele emana.

Visitando os museus e igrejas, particularmente na Europa, constata-se que a Arte afeiçoou-se à narrativa evangélica no decorrer dos séculos, legando-nos quadros e esculturas de beleza incomum.

Embora o sonho de Alan Kardec fosse a comprovação dos postulados espíritas através da ciência, vive-se nos dias atuais o assenhoreamento deles pela arte cinematográfica, dando-lhe um colorido especial e próprio. Muitas pessoas julgarão se trata de mera ficção, mais uma dentre tantas veiculadas frequentemente.

Ainda assim, haveremos de aplaudir e louvar a iniciativa daqueles que se dispõem a tratar dos temas doutrinários, desejando-lhes sucesso na empreitada.

Aqui e ali surgem críticas e zombarias, que fazem parte do processo natural de resistência ao novo, e que o tempo deve dirimir com maiores revelações e descobertas.

Contudo, da mesma forma que expansão do cristianismo implicou de modo obrigatório na ofuscação de sua verdade espiritual, transformando-o em instrumento de poder mundano, a irradiação do espiritismo trará inevitáveis sobressaltos e lacerações ao seu próprio conteúdo.

De acordo com os relatos de Chico Xavier, a conversão de qualquer pessoa ao bem e à realidade do espírito exige experiências significativas nos domínios do coração e da consciência.

Portanto, se os filmes e os vídeos possibilitam a divulgação da doutrina em larga escala junto à população, cabe recordar que eles representam somente instrumentos de divulgação.

O trabalho capaz de sensibilizar o próximo e atraí-lo, de fato, para a doutrina espírita e para o Cristo requer de nós mais do que o entusiasmo febril com a influência dos meios de comunicação. Sem que ofereçamos algo de nós mesmos, por meio de nossas mãos e de nossa renúncia pessoal – quase sempre regada a lágrimas e suor – não chegaremos ao testemunho cristão nem nos tornaremos colaboradores confiáveis da implantação do reino dos céus na terra.

Enfim, saudemos a difusão do espiritismo, sem esquecer o recolhimento e o silêncio, igualmente indispensáveis para ouvir Deus em nós e ao nosso redor.

Abraços

Gilberto"

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Novidades Viajante do Universo

Ppreparamos algumas atualizações no site www.viajantedouniverso.org.br nos últimos dias. Confira:

- Na página de MP3, além de novas músicas, é possível fazer o download de alguns papéis de parede feitos pelo amigo Lucas Alves, com base em algumas de nossas músicas;

- Na página "Sobre", você agora pode fazer o download do encarte do CD Viajante do Universo;

- Na página inicial,é posível cadastrar seu e-mail para receber novidades sobre atualizações no site.

Além disso, temos novas fotos e novos vídeos no nosso canal do Youtube.


Como uma amostra, seguem o mais recente vídeo e um dos papéis de parede que o nosso amigo Lucas preparou:


terça-feira, 14 de setembro de 2010

Nosso Lar e alhures: comentários de um amigo

Amigos,

Temos um grande companheiro de doutrina em BH que é o Constantino. Trabalhador de todas as frentes, ele é grande parceiro em atividades ligadas à arte. A ele devemos a realização do CD e do DVD da Comebh, e também a memorável Campanha de Popularização da Arte Espírita, que por ótimos anos movimentou os esquemas da arte espírita em BH, no início da década passada.

E isso tudo fora outras importantes frentes.

Esses dias ele mandou um e-mail que foi quase um desabafo, comentando sobre alguns caminhos que a divulgação de ideiais espíritas via mídias tradicionais têm tomado.

As coisas que ele escreveu me pareceram, no mínimo, excelentes elementos de reflexão. Por isso, e por saber que os leitores aqui do Blog geralmente se habituam a essa abertura crítica ao que vem ocorrendo nesse campo, pedi a autorização dele para publicaro referido e-mail, que posto a seguir.

Para mim valeu muito conhecer a opinião dele, para a formação da minha própria opinião, e espero que o mesmo se dê pra vocês. Que todos possam aproveitar as reflexões de um coração amigo, trabalhador e aalizado.

Na diversidade de pensamentos, crescemos todos.

---------------------------


Bom dia Pessoas!

Nos últimos dias venho recebendo alguns emails que muito tem me incomodado e resolvi dividir isso com vocês. Uma febre de trabalhos "pseudo espíritas" tomaram conta de nossas telas e tvs. Digo "pseudo" por ser lamentável se chamar de espírita uma novela cuja história principal é o encontro de almas gêmeas - único ponto questionável da obra de Emmanuel e já comentado por ele mesmo! Sem falar que as comunicações vem por leitura de cartas de baralho... E essa febre tem gerado uma empolgação digna de nota contrária.
Recentemente fui assistir ao filme "Nosso Lar", baseado na obra de Chico Xavier. Filme fraco, roteiro ruim, trilha horrorosa, etc. Além disso, um filme feito para espíritas, já que boa parte dos conceitos apresentados não são explicados. Fica sub entendido que sabemos do que se trata.
O filme ser ruim não me incomoda. O movimento em torno dele, como se fosse algo maravilhoso, conclamando os "irmãos espíritas" para que assistam na primeira semana ou votem nele no site do ministério da cultura para que represente o Brasil na premiação do oscar é que é lamentável! E acho que alguns pontos devem ser pensados por nós.
Primeiro: Será que eu gostaria de ver um filme ruim representando o Brasil? Com qual intuito? Só por ser espírita? Ser espírita não é sinônimo de ser bom! Fico imaginando os gringos, que não tem em seus países um sincretismo religioso como o nosso, tentando entender o filme. Além do mais, o filme não seria o representante do Brasil no oscar, e sim, indicado pelo Brasil, como seu filme, para concorrer a concorrer ao oscar. Apenas cinco, do mundo inteiro, são escolhidos.
Segundo: O espírita veio ao mundo para viver em sociedade, e não para se isolar! Estamos fazendo algo perigoso, querendo valorar somente coisas nossas em detrimento de outras, só pelo fato de ser espírita. Na década de 20 um maulco apareceu na Alemanha pregando superioridade e que sua idéia deveria ser mandada aos quatro cantos do mundo e deu no que deu... Até idéia de "condomínios espíritas", onde todos os moradores teriam que ter a mesma religião, já ouvi! É de dar medo.
Terceiro: Leiam Kardec! Tá lá no Livro dos Médiuns: Não fazer proselitismo! Estamos muito preocupados querendo falar aos outros do Espiritismo! A recomendação do mestre é de que "O Reino de Deus não vem com aparência exterior" (Lucas, 17:20). Talvez, por isso, o maior exemplo de Espirita (com letra maiúscula, mesmo), nos últimos tempos, tenha sido Chico Xavier! Com seu trabalho ele conquistou corações de todas as religiões, sem precisar sair por aí falando de espiritismo para ninguém. Acho que chegou a hora de pararmos de "falar" para "mostrarmos" ao mundo essa doutrina.
Por fim gostaria de falar da minha alegria com o filme "Chico Xavier"! Sensível, tocante, vibrante, com iterpretações magistrais. Difícil não se emocionar com a vida desse homem. O mais interessante nessa história é que o filme foi baseado numa obra de autor "não-espírita" e a direção e produção do filme não tiveram participações de órgãos federativos espíritas.
Fica um desabafo de um espírita confesso, que ama a doutrina, mas que fica muito preocupado com os rumos que nosso movimento tem tomado. "Espírtas, amai-vos, eis o primeiro mandamento; instruí-vos, eis o segundo". Acho que estamos precisando estudar um pouco mais.
Não estou querendo com isso gerar discussões, brigas, etc. Entendam isso como uma opinião pessoal. Só me sinto no dever de partilhar isso com os meus amigos.

Inté para todos,

Constantino

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Nosso Lar, Maurício Stycer e fundamentalismo

O filme Nosso Lar tem dominado nossas atenções, e pelo visto não sem razão.

Muito pode ser dito sobre ele, muito há de ser pensado e debatido, e é por isso mesmo que vou tentar sair do lugar comum e dividir com os amigos uma reflexão não sobre o filme exatamente. Até porque eu ainda não pude assistir e estou informado apenas pela opinião de muitos amigos.

Chamou-me muito a atenção a confusão ocorrida no blog do Maurício Stycer, do UOL. Clique aqui e confira o que ele conta sobre a crítica que escreveu sobre o filme.

Em suma, até hoje por duas vezes o blogueiro teve que fechar a área de comentários de seu site, em razão de excessivas agressões. Uma foi agora, quando escreveu sobre o filme Nosso Lar. A outra, por ocasião do filme Chico Xavier.

A impressão que eu tenho é a de existir grande despreparo por parte dos espíritas (ou simpatizantes da "causa") na hora de lidarem com a diversidade de opiniões. Fico meio receoso de ver que aparentemente muitos de nós estamos à espera de um momento em que o Espiritismo vai se levantar como verdade insofismável, convencendo a todos, o que é obviamente um grande engodo.

Isso é quase um "fundamentalismo espírita", e a própria forma como às vezes nos mobilizamos para votar em personalidades espíritas como pessoas influentes ou em filmes espíritas como concorrentes ao Oscar, ou, ainda, para que um filme seja muito assistido em sua primeira semana porque isso pode angariar a simpatia da produtora para esse ou aquele benefício, parece revelar um desvio de perspectiva.

Mas - vejam -, disse que fico preocupado com a forma como vimos fazendo isso. Afinal, cada um defende - e deve mesmo defender - sua convicção, mas não sem deiscuidar da maneira como faz isso, pois todos temos nossas responsabilidades nesse campo. Mais ainda nós mesmos, que nos arvoramos em defensores de um Cristianismo redivivo e, assim, temos sobre nós o peso de grande responsabilidade perante o mundo, o que deve se refletir em nosso comportamento em todos os sentidos.

Estamos sendo diligentes e serenos com tudo isso? Estamos sendo capazes de agir de maneira moralmente equilibrada e sintonizada com os princípios cristãos? Se em nome da divulgação ou do que quer que seja seguirmos fazendo o estardalhaço mau educado e pretensioso que às vezes tem ocorrido, penso que é melhor não sairmos de onde estamos.

O mencionado blogueiro Maurício Stycer criticou o cenário do filme e outros aspectos relacionados. Nada mais natural. É um filme, e sofre críticas de cinema. Se não quiser sofrê-las, aliás, não se arvore pelo campo da sétima arte. Mas... um monte de gente escreveu pro UOL pedindo para que o autor do Blog fosse demitido. Chega a ser incrível. Isso é postura que se recomende? É assim que procuramos resolver a diversidade de pensamentos?

O que será que pensam? Que o filme é fruto de um livro santo e que qualquer crítica é disfarçada pancada nos postulados espíritas, que não deve ser tolerada?

Por isso, um lembrete aos encantados com o momento que, para muitos, significa que o Espiritismo está "saindo do armário": o mundo espiritual não possui religião, e não há qualquer menção na obra de Kardec que sugira que o Espiritismo se tornará a religião preponderante ou algo do tipo. O que deve preponderar, um dia, é o amor e o respeito às leis morais, mas isso não vai colocar credos e pessoas uns acima dos outros.

Mais ainda: a seguimentação de credos vai perder o sentido e desaparecer. Mas pelo visto vai demorar um tanto. Afinal, pelo evento em comento não é difícil perceber que falta-nos preparo para vivenciar os princípios que esposamos, nas mais simples questões. Justo nós, que julgamos conhecer a Terceira Revelação.

Alteridade e respeito à diversidade são bases sem as quais a fraternidade não há de triunfar. Cultivemo-las, portanto, pois o Espiritismo só se justifica na condição de remédio forte para doentes graves, necessitados de equilibrarem a moral pelo exercício da virtude e pela contenção das mazelas interiores.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Vídeos com Tim e Vanessa

Tim e Vanessa fazem um trabalho que eu admiro há muitos anos, e com o qual há mais de 6 anos eu tenho a honra de colaborar, participando de algumas de suas apresentações (se você não conhece, clique aqui).

A experiência é mutro rica, porque além de eles serem ótimos amigos, com essas vivências eu venho aprendendo muito sobre o trabalho de música que vimos desenvolvendo, sempre voltado para a simplicidade e para a intenção de fazer algo útil por meio da música.

Eles me ajudaram muito também na gravação do CD Viajante do Universo. Sobretudo, contribuíram com seus talentos no CD.

Apesar de o CD ter ficado pronto no comecinho de 2008, como ainda não fizemos um lançamento dele, nunca reproduzimos ao vivo a maioria das músicas com as participações que tivemos no CD, inclusive as participações de Tim e Vanessa.

Mas no último sábado aproveitamos uma apresentação de Tim e Vanessa e fizemos, na abertura, duas músicasjuntos, cujos vídeos disponibilizo a seguir.

Na música "Canção para Cristo", a participação do Tim:



E em "Viajante do Universo", a participação da Vanessa:



Espero que gostem!

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Apresentação Tim e Vanessa - 04/09/2010

Olá, amigos prezados.

Aproveito o espaço pra divulgar que teremos apresentação da dupla Tim e Vanessa no próximo sábado, 04/09/2010, em Belo Horizonte.

Confira os detalhes do evento:

Horário: 20h.
Local: auditório da Escola Municipal geraldo teixeira da Costa.
Ingressos apenas antecipados, com os seguintes contatos:
Conceição: 3447-4018 /9956-1287
Amélia: 9969-8369
Wadson: 3317-6433 /9950-5183

Não haverá venda no local.
A renda arrecadada será destinada às atividades promovidas pelo Departamento de Apoio à Juventude /AME-BH Regional Nordeste

domingo, 15 de agosto de 2010

Atributos das músicas que nos tocam. "Flutuar" e "Higher".

Quais são os mais importantes atributos para uma música?

Penso que não dá pra fechar essa questão. Mas já comentamos aqui que uma música costuma tocar a gente quando tem uma mensagem que se compatibiliza com os nossos anseios, que traduz alguma coisa que está dentro de nós, e quando está impregnada de uma energia, uma vribração própria e forte que nos alcança de maneira especial.

Ambas as características terão repercussão diferente nas diferentes pessoas. Não deve existir, assim, uma música capaz de fazer qualquer pessoa arrepiar, pois esse "feeling" é algo individual, particular. Contudo, certamente há algumas músicas que conseguem alcançar um número maior de pessoas e "durar" por muito tempo, enquanto outras "logo passam".

Uma música pra mim cheia de energia é "Flutuar", do GAN - Grupo Arte Nascente, lá de Goiânia. Clicando aqui vc pode conhecer um inspirado clipe dela, do DVD do GAN. Pura energia.

Eu me amarro muito nessa canção porque ela tem essa vibração que me toca e me diz alguma coisa muito forte. A letra dela, apesar de não ter exatamente um mensagem moral, traduz algo muito legal e real em nossas vidas, que são as oportunidades de encontro, consciente ou inconsciente, com as entidades que nos orientam a jornada aqui na Terra.

É muito bonito você dizer pra esse ser luminoso (que pode ser Jesus, seu mentor espiritual ou qualquer outro que te ampara):

"Sim, eu vou lembrar dessa amanhã
Sentir você chegar
Dou todo o meu ser, belo jardim
Pra você brotar
(...)
Me faça mais leve, quero flutuar
No vôo da vida, venha me levar"

Eis aí uma bela expressão do nosso anseio de de crescer, de ascender, de ir mais alto. De flutuar. Por isso, atendendo ao meu carinho por essa música, gravei o vídeo a seguir:



Há muitas outras músicas que tratam de questão semelhante, dessa alegria na conexão com algo melhor e mais alto, o registro das nossas aspirações de melhora sempre amparadas por emissários Divinos. Eu mesmo fiz, em parceria com Felipe Bizzotto, a música "Um sonho bom", na qual está registrada a vontade de não acordar, pela sensação de se estar num ambiente prazeroso, ao lado de seres que nos amam e amparam. Se quiser conhecer, clique aqui.

Mas músicas de contextos completamente diferentes traduzem, quem sabe, esse mesmo sentimento, o que acaba por demonstrar que a conexão com os espíritos no outro lado da vida é uma realidade. Vejamos a música "Higher", da banda americana Creed. É uma bela letra, cuja tradução você pode conhecer na íntegra clicando aqui, mas que transcrevo a seguir uma pequena parte, apenas para ilustrar:

"Quando sonho sou guiado para um outro mundo várias e várias vezes
No amanhecer eu luto para continuar dormindo
Porque eu não quero deixar o conforto desse lugar

(...)
Você pode me levar mais alto?
Para um lugar onde os cegos veem?
Você pode me levar mais alto?
Para um lugar com ruas de ouro?

(...)
Mas, meu amigo, eu sacrificaria todas aquelas noites
Se eu pudesse fazer da Terra e dos meus sonhos os mesmos
A única diferença é deixar o amor substituir todo o nosso ódio"


Além disso, trata-se de uma música, pra mim, cheia daquela energia, mas que talvez por ser um "rock" não vai causar a mesma sensação em todo mundo. Quem não conhece pode clicar aqui pra ver um vídeo dela, com legendas em português.

E, naturalmente, há muitas outras canções que cuidam de questões semelhantes. Não poderia deixar de citar uma que é quase um hino para muitos de nós, a música "Encontro", de Willi de Barros, da qual menciono o seguinte trecho:

"Oh, meu avatar, quando eu penso em ti
Minha alma voa
E o pensar em ti faz dentro de mim
Uma coisa boa
(...)
Não te vejo e entanto te encontro
Mais presente a cada passo do meu caminhar
Não ouço o tom da tua voz e mesmo assim
te escuto a cada batida do meu palpitar"

Dessa música tenho apenas um mp3 de qualidade reduzida. Quem quiser pode baixá-lo neste link.

E você? Qual música te faz sentir conectado com algo maior, mais alto, algo bom? Do que ela fala? Tem uma flagrante mensagem moral? Ou utiliza termos como flutuar, voar, estar sobre asas etc para traduzir essa nossa aspiração pela elevação junto aos seres que nos amparam?

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Em cântaros, bebemos todos.

Olá, amigos queridos.

Nos últimos dias 7 e 8 de agosto, sábado e domingo passados, tivemos duas apresentações da dupla Tim e Vanessa em Belo Horizonte. Além da sempre tão prazerosa oportunidade de estarmos reunidos para cantar essas músicas que fazem parte das nossas vidas, celebramos também os 10 anos de trabalho da dupla.

Aliás, já os convido a conferir o post que o Tim fez no blog "Artefazendo o Belo Bom" sobre isso. Clique aqui para ler.

Foram ocasiões muito especiais e eu tenho certeza de que todos concordam que os momentos mais emocionantes são aqueles em que os presentes cantam juntos, quando sentimos irradiar uma energia muito forte e serena, algo que nos alimenta intimamente.

Houve também a inovação da transmissão do evento pela Internet, o que parece ter sido muito bom para quem está longe, apesar das limitações técnicas enfrentadas, naturais numa primeira experiência. Quem acompanhou pela Web poderia contar aqui pra gente o que achou.

Mas o post de hoje serve tanto para agradecer aos que estiveram conosco e aos que nos acompanharam à distância, contribuindo de alguma forma para o evento - seja com o trabalho, com a presença, com o carinho, com as vibrações, enfim - quanto serve também para refletir uma vez mais sobre a importância dessas atividades pra gente mesmo, pelo que tomarei por foco a participação do Coral da Mocidade da Sociedade Espírita Maria Nunes - SEMAN, que fez uma deliciosa abertura para as apresentações.

Nesse ponto, cabe sugerir que o amigo leitor confira algumas fotos da apresentação de domingo, a seguir:

Tim e Vanessa - apresentação dia 08/08/2010 em BH

Cântaro é um vaso para água e a alusão feita no título do post a essa vasilha, usada para ajudar a matar a sede, é muito propícia ao nosso caso, já que temos todos sede da água da vida, e já que o canto, com o perdão pelo trocadilho, se afigura para nós como uma das mais importantes ferramentas disponíveis para saciar - ou ao menos amenizar - essa sede.

Uma das músicas até então inéditas que Tim e Vanessa apresentaram nesse fim de semana se chama justamente Cântaro, e ela narra de maneira muito poética e sensível o encontro de Jesus com a mulher que está junto ao poço em busca de água. Jesus oferece a ela a água da vida.

Fiquei sabendo também que já temos chegando aí um novo trabalho musical que vai levar esse mesmo nome, algo pensado antes mesmo de essa música ter sido divulgada. É muito legal essa expansão de trabalhos no campo da arte.

Mas vejamos o que significou a comunhão conosco, no último fim de semana, do Coral da Mocidade da SEMAN. Misturamos energias complementares e pudemos registrar maneiras diferentes de vivenciar a música que eleva a nossa vibração, com tanto carinho.

O que esses dois trabalhos têm em comum, como também têm em comum com outros trabalhos semelhantes? Penso que é essa energia sincera, essa percepção de que toda essa movimentação serve, antes de mais nada, como repositório da água que procuramos pra matar a nossa prípria sede e, depois, serve de oportunidade para entrarmos em comunhão com aqueles que estão na mesma busca, o que dá mais sentido a tudo.

Ver tantos jovens reunidos e dedicados a cantarem músicas que falam de amor, e vê-los depois sentarem-se à frente do palco para se entregarem à apresentação de Tim e Vanessa foi um grande prêmio. A satisfação é enorme, pois estar junto dessa turma que vibra em sintonia conosco é algo cujos benefícios não se pode mensurar, e nem sei se eles puderam perceber o quanto foi gostoso pra gente tê-los por lá.

Muito gentis, eles se mostraram bastante gratos pela oportunidade de estarem ali com Tim e Vanessa, mas nós também agradecemos pela presença carinhosa e comprometida deles, que abrilhantou as noites, "esquentando" o público.

A conclusão, portanto, é inevitável: temos mesmo é que agradecer todos ao Pai, por permitir tenhamos em mãos essa pequena bússola materializada em música, em meio a "um mundo que tanto padece".

Caminhamos juntos ali, e reforçando o entendimento de que descobrimos que somos felizes quando percebemos que temos uns aos outros, convido-os, enfim, a assistirem um vídeo da música "Caminhando juntos", outra canção até então inédita, apresentada por Tim e Vanessa no último fim de semana. O vídeo foi feito num dos ensaios que fizemos para as apresentações e tem o Tim, a Vanessa, eu no violão, o Rafael no contrabaixo e o André na percussão:



Que os nossos trabalhos se expandam naquilo que possuírem de útil, e que saibamos recuar dos holofotes, direcionando-os para o Evangelho, pois disse Jesus:

"Assim, resplandeça vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus". (Mt, 5:16).

**OBSERVAÇÃO: pra quem eventualmente não saiba, Tim e Vanessa formam uma dupla que divulga músicas espíritas e cujo trabalho pode ser conhecido em www.timevanessa.com.br. Sempre que possível, eu os acompanho em suas apresentações, auxiliando com mais um violão, bem como os outros amigos que aparecem no vídeo.

sábado, 24 de julho de 2010

Apresentações da dupla Tim e Vanessa em BH

Prezados amigos,

Nos próximos dias 7 e 8 de agosto teremos apresentações da dupla Tim e Vanessa, em Belo Horizonte. Confira todos os detalhes do evento no cartaz abaixo.

Além de algumas músicas inéditas, a novidade fica por conta da transmissão ao vivo que teremos das apresentações, por meio do canal 14 da TV CEI e da Radio Fraternidade. Eis os links:

http://www.tvcei.com/portal/index.php/aovivo/canal14

http://www.radiofraternidade.com.br

Mais sobre o trabalho de Tim e Vanessa, inclusive o download das músicas e cifras, confira no site:

http://www.timevanessa.com.br/

Esperamos todos lá. Prestigie, apoie e divulgue!

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Liberdade, igualdade e fraternidade

Liberdade, igualdade e fraternidade são os três princípios que melhor sintetizam as aspirações do mundo moderno.

Para alguns, foi a forma laica encontrada para substituir a trindade católica do Pai, do Filho e do Espírito Santo, desde que a sociedade ocidental, para caminhar com pernas do próprio livre-arbítrio, se libertou do jugo de um pretenso Deus exigente e que concedia parcela de seu poder a uns poucos reinóis.

Logo após as Revoluções do século XVIII, predominou o princípio da liberdade, eximindo-se os Estados o quanto possível das intervenções nas sociedades. O excesso de liberdade, porém, deixou duras marcas, emergindo as formas de organização social mais degradantes da dignidade humana até hoje conhecidas, no contexto das Revoluções Industriais, em que o homem explorava o seu igual ao limite extremo.

Tomou corpo no final do século XIX e início do XX, então, uma maneira diferente de pensar, voltada para a discrepância social estabelecida e preocupada com as condições em que estavam lançados os indivíduos, de maneira que os Estados foram instados a interferir na organização humana com vistas a garantir um mínimo existencial a todos, numa tentativa primeira de universalização dos valores básicos como saúde, transporte, alimentação.

Mesmo assim, as sociedades continuaram cambaleantes em sua organização e as monstruosas grandes guerras demonstraram como conceitos corretos, se interpretados equivocadamente, podem conduzir nações inteiras ao despautério e ao desequilíbrio. Ademais, ainda que dentro de uma mesma sociedade, a contraposição das experiências capitalista e socialista permitia entrever o quanto liberdade e igualdade, em última análise, são valores antagônicos, sendo um cerceador do exercício do outro, e restando sempre ao arbítrio dos grupos que liderassem cada país definir uma orientação de maior liberdade, com enormes diferenças sociais, ou de maior igualdade, com o cruel sufocamento das liberdades.

Ambas as experiências extremas, contudo, mostraram - e seguem mostrando - o quanto a liberdade ou a igualdade, sozinhas, carecem de orientação para que possam guiar sem desequilíbrio o curso das experiências de um povo.

Assim, após mais de 2 séculos de fixação sofrida da igualdade e da liberdade, eis que a fraternidade passa com mais vigor a penetrar gradual e profundamente nas organizações humanas, sendo paulatinamente evocada e aplicada na busca de soluções para o "universo" de problemas que o mundo enfrenta.

Valor destinado a dosar os outros dois, cumpre a fraternidade o vital papel de equilibrar, em cada contexto, a conduta adequada, permitindo que igualdade e liberdade sejam elementos em saudável cotejo para o equilíbrio das relações humanas.

A fraternidade consiste no estabelecimento do laço de irmãos entre pessoas que não o são do ponto de vista físico. Pautadas por ela, uns homens estendem seus braços aos outros, doando um pouco de sua liberdade ou de sua igualdade, pois compreendem a necessidade do próximo e se realizam, por meio do princípio fraternal, ao disporem livre e conscientemente do que já possuem em favor dele.

Dos três vértices desse triângulo, a fraternidade ocupa o superior. É responsável por mediar a tensão inevitável entre liberdade e igualdade, e o faz de maneira calma e serena, pois atua para conferir a cada um a condição de enxergar, por si mesmo, a melhor forma de manejar os valores do mundo em função do bem comum.

A pauta axiológica se integra no equilíbrio que apenas a tríade dos valores poderia oferecer, e tudo vai se tornando mais claro à medida que cada um dos princípios sai da posição de exagero. É como se o triângulo fosse deixando, aos poucos, a estranha "formação escalena", rumando ao equilátero inevitável e perfeito.

Juntos e equilibrados, esses três princípios, então, asseguram a dignidade humana e fundamentam o desenvolvimento moral das criaturas, conduzindo os homens a exercitarem o amor no auxílio mútuo a que se lançam, inevitavelmente, como tarefa inescusável dos corações dedicados ao próprio burilamento. Vem à tona, irresistível, a conclusão de que o homem é um fim em si mesmo.

Aguardemos, pois. E sejamos capazes de dar à fraternidade o século que demos à liberdade e à igualdade, e veremos do que ela é capaz.

As transformações oriundas da fraternidade já irradiam em toda a parte, conduzem a toda a gente e, sem que percebamos, já estaremos sendo carregados por ela. Já é assim.

Porque assim mesmo é a fraternidade: uma bandeira que pensamos conduzir, mas que na verdade conduz a todos nós no caminho da harmonia e da felicidade a que estamos - todos - destinados.

Mais cedo ou mais tarde, a depender de nós.

Estamos QUASE lá. Ou de alguma maneira já chegamos?

sábado, 17 de julho de 2010

Novidades Viajante do Universo

Prezados amigos, bom dia.

Escrevo para convidá-los a conhecer as novidades que estão em nosso site. Confira:
- MP3 da música "Verdades".
- MP3 da música "Se espalha ao vento".
- Vídeo da música "Nós", de autoria de Rodrigo Almeida.
- Vídeo da nova música "Um sonho bom".
- Vídeo da nova música "Quase" (incluído em 19/07/2010).

Também é possível baixar as cifras de Verdades e Se espalha ao vento.

Além disso, essa semana o Blog recebeu novas postagens (verifique abaixo), e temos no ar também um vídeo da música  Viajante do Universo interpretada por mim junto com a minha sobrinha Isabela.

Bom fim de semana a todos e obrigado por estar conosco.

Abraços!

terça-feira, 13 de julho de 2010

E você, o que tem feito pelo goleiro Bruno?

Nos últimos dias, o crime possivelmente cometido pelo goleiro Bruno, do Flamengo, vem dominando a mídia, as rodas de conversa e nossa atenção de maneira geral.

Parece que já praticamente transferimos a frustração pela perda da Copa para a revolta estabelecida contra esse lamentável fato.


Às vezes brinco com os amigos que o mundo politicamente correto é meio chato. Parece que algumas práticas sociais estão sendo "dominadas" por uma obrigação de sermos conforme determinado padrão estabelecido, o que acaba nos colocando numa prisão dos atos.

É claro que é objetivo de todos nós desenvolvermos as virtudes. Mas compete-nos fazê-lo de maneira compatível com a nossa própria condição, respeitando o que vai dentro de nós mesmos. Tudo assim, degrau por degrau.

Por isso, cabe perguntar: qual estará sendo o ataque energético e espiritual que Bruno e seus amigos estão enfrentando atualmente? Será que algum deles é menos algoz do que nós mesmos, nessa ou noutras vidas? Quem de nós poderá, em sã consciência, arvorar-se em censor das atitudes deles, desconhecendo a integralidade das circunstâncias que cercam suas atitudes?

Frise-se que não há justificativas para o mal, não é disso que cuida a reflexão. Mas o comportamento cristão recomenda, no mínimo, muita vigilância antes de investirmos nosso tempo e pensamento na exaltação do lado negativo da história, na condenação sumária que muitas vezes fazemos das atitudes dos outros.

Sem dúvidas há um outro lado. Ou alguém duvida que Deus ainda está no comando das coisas? Se Ele permitiu que acontecesse esse terrível episódio, é porque o evento traduziu utilidade para o curso das experiências dos espíritos envolvidos, ainda que passando pela fieira do sofrimento, a ser organizada pelo curso das reencarnações.

Gostamos de dizer que Deus escreve certo por linhas tortas. Mas não seremos nós que lemos limitadamente os desígnios Divinos? Nossa visão é necessariamente parcial, pois pouco conhecemos da história das reencarnações desses espíritos, por isso é muito recomendável prudência ao fazermos qualquer tipo de análise.

Por isso, no aspecto das posturas que adotamos, tudo deve ser sopesado com realidade. Confesso que já ri nos últimos dias da interminável profusão de piadas a rodear o tema. E o pensamento sobre como estamos conduzindo essa situação deve ser visto não como uma questão de sermos politicamente corretos, fechando-nos para nossa realidade e para realidade do mundo, mas, sim, como um exercício ao qual devemos nos lançar quando sentirmos que podemos ajudar. Em outras palavras: tudo bem, estamos aí no mundo, às vezes entramos no clima de piadas menos úteis, às vezes criticamos etc, mas o que podemos fazer para melhorar nossa postura perante situações tão delicadas?

O exercício de sermos mais indulgentes com o próximo nos convida à reflexão profunda sobre se devemos entrar no clamor estabelecido de condenação aos suspeitos de analisar Elisa, que certamente são almas que merece ma nossa sincera compaixão.

Portanto, parece-me muito cabível e recomendável a tentativa de, na medida das nossas capacidades, adotarmos postura mais serena e condizente com os nossos propósitos e princípios cristãos. Ou será que não podemos olhar pro Bruno na TV e reconhecermos um espírito atingido por enormes dificuldades, a reclamar de nós prece e postura mental de compreensão e tolerância?

Feliz de quem conseguiu manter essa postura o tempo todo, e não escarneceu do infortúnio alheio. E sorte nossa se conseguimos, em algum momento, alterar o campo mental e fazermos algo não só pelo Bruno e amigos, mas também por nós mesmos, com a renovação do pensamento.

Compreensão e tolerância serão bem vindas pra nós, pro Bruno e pro mundo, pois, afinal, não fossem a compreensão e a tolerância dos nossos orientadores espirituais e da própria Divindade para conosco e quem sabe sequer estaríamos aqui na Terra de novo, tentando reajustar nossas atitudes.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Ainda o futebol e a Lei de Causa e Efeito

Olá, meus caros amigos.

***Antes de mais, um recado: de alguma maneira, esse post é uma continuação do post anterior. Então convido-o a dar uma olhada  no mencionado post, caso se interesse e ainda não o tenha visto, antes de ler este. Assim, as idéias podem parecer menos obtusas.

Resolvi fazer um novo tópico pra repercutir as questões colocadas por vocês sobre Copa do Mundo, Espiritismo e alhures, do tópico anterior, porque o assunto é interessante demais e vai ficar mais bem colocado assim do que apenas em resposta aos comentários.

Aliás, tomando por base as coisas que foram ditas, fico ao menos aliviado por saber que, caso tudo o que dissemos seja pura viagem, não é viagem de um só! Já temos um começo...

O Roney lembrou um episódio muito  interessante sobre o desencarne do Chico, quando ele já havia "anunciado" que sua morte se daria num dia de grande alegria dos brasileiros. E essa situação é daquelas que nos remetem à inquietação de compreender exatamente até onde vai o nosso livre arbítrio...

Mas pensando no esporte de maneira geral, fico pensando: o que leva determinadas pessoas a terem um enorme sucesso nesse campo? E as repercussões que isso traz para as pessoas que estão ao redor?

Vejamos o Ayrton Senna. Quem vai dizer que esse espírito reencarnou sem um propósito específico, voltado para as coisas que realizou? Independentemente das conquistas esportivas, consideradas em si mesmas, mas pensando do ponto de vista dos sentimentos e valores fixados pelos acontecimentos na individualidade das pessoas, penso que podemos inferir a existência de algo bem relevante norteando tais acontecimentos.

Afinal, porque é que certos desportistas, músicos, artisas, políticos, etc possuem tamanho carisma? O que os destaca e os diferencia? Por que se destacam e se diferenciam? E isso será mero acaso?

Penso que não. E acho que a cada um compete utilizar o seu magnetismo de maneira favorável, sendo que podemos observar ótimos exemplos de pessoas que conseguem fazer isso, que espeham virtude em suas vidas pessoais, a par do sucesso específico das carreiras em que se encontram.

Mas eu queria trazer à tona mais um exemplo que envolve nações e futebol. É um exemplo até óbvio, sobre a guerra das Malvinas, que contrapôs Argentina e Reino Unido, no começo da década de 1980.

Em disputa estava um território insular cuja localização georgráfica indicava o natural domínio da Aregntina. Mas o Reino Unido, com seu poderio militar superior, subjugou as forças argentinas, derrotando o país sul-americano e conservando seu domínio nas ilhas Malvinas, que dura até hoje.

Isso foi em 1982. E o que aconteceu na Copa de 1986? Argentina e Inglaterra se enfrentaram pelas quartas-de-final da Copa do Mundo. De todos os confrontos dessa fase, esse foi o único decidido no tempo normal, sem disputa de penaltis.

E o gol que classificou a Argentina foi feito por Maradona, porém com um toque de mão (quem se embra dessa cena?). É o episódio que ficou mundialmente conhecido como "La Mano de Dios".

Uma flagrante "injustiça futebolística" que parece não ter soado como tal pra muita gente, pois o episódio "lavou a alma" não só dos argentinos, mas também de pessoas que consideravam injusto o desfecho da Guerra das Malvinas.

A propósito, após essa etapa a Argentina sagrou-se bi-campeã mundial de futebol. E, pensando mais além, o que o Maradona representa para o povo argentino? Podemos considerar várias de suas posturas inadequadas, mas ele indiscutivelmente possui uma relação com aquele povo que excede em muito aos seus feitos no futebol, e o magnetismo ali estabelecido deve dizer algo muito relevante sobre o passado daquela coletividade e, provavelmente, também sobre o seu futuro.

Enfim, eis aí mais uma possível página escrita na história que pode (e deve) ser lida também com base na consciência que temos da Lei de Causa e Efeito.

E nós, quando conseguiremos fazer com que a nossa visão da vida encare todos os episódios, automaticamente, como eventos que possuem muitos aspectos alheios ao que está registrado na história e ao que é decidido e resolvido no mundo dos encarnados?

E além dos grandes fatos da história, quando teremos essa consciência sobre os acontecimentos das nossas próprias vidas?

domingo, 4 de julho de 2010

E na próxima Copa do Mundo?

A Copa do Mundo nos mobiliza de maneira especial. E conversando por e-mail com a Carol, amiga de São Paulo (e conhecida da maioria dos leitores desse blog, eu creio), ela disse o seguinte:

Falando em "show de bola", fim de Copa para nós, né? Que pena.........! Só daqui 4 anos, com todos mais velinhos!

E me fez pensar muito sobre estarmos mais velhinhos, pois 4 anos é mesmo tempo significativo. É comum que a gente se lembre do que fazia nas Copas, mas às vezes não nos lembramos do que fazíamos há um ano. Eu mesmo me lembro perfeitamente que na Copa de 1994 (sim, 94) eu saia pra jogar bola na rua nos intervalos dos jogos e após eles... são coisas muito marcantes. Lembro até mesmo que na Copa de 1990 eu comi pipoca com queijo na casa de uns primos, durante Brasil e Suécia...

Mas será que pensamos o que podemos e devemos fazer em 4 anos? Dizem (acho que o Bill Gates disse) que temos a tendência de superestimar o que podemos fazer em 1 ano, mas subestimamos o que pensamos poder fazer em 10 anos. E na próxima Copa, como queremos estar?

Quais são as conquistas da vida pessoal, profissional e, principalmente, de valores do nosso espírito que queremos ver em nós mesmos quando o Brasil ficar de cabeça na próxima Copa do Mundo?

Acho que vale pensar o que éramos há 4 anos e fazer um cotejo com o que pretendíamos ser hoje, bem como com o que queremos ser daqui a 4 anos. É um exercício simples mas útil, pois uma vida sem reflexão sobre si mesma é uma vida com menos possibilidades de atingir os fins colimados. E isso vale tanto numa perspectiva individual, das coisas que pretendemos, como do ponto de vista da evolução que procuramos encetar, desde que reconhecemos que essa é a finalidade de nossas reencarnações.

Saindo um pouco desse óbvio, penso também que as Copas traduzem muito mais do que podemos imaginar. As nações se mobilizam e o jogo dos débitos coletivos, quem sabe, encontra nessa ocasião campo fértil pra ajustar a relação entre as nações. Nesse ponto, eu não poderia deixar de fazer uma grande viagem, ainda mais se tratando de futebol, que, como dizem alguns, é a melhor reprodução do modelo de guerras que alimentou as sociedades durante tantos séculos. Ao menos, hoje, há menos mortes.

Vejamos a relação do Brasil com a França. No futebol, somos muito superiores, mas morremos de medo de encontrá-los em Copas, pois eles sempre ganham. O primeiro título mundial deles, aliás, foi graças a nós, e foi a única vez que o Brasil tomou 3 gols num jogo de Copa, sendo 2 gols de cabeça e feitos por um jogador que NUNCA tinha marcado um gol de cabeça na carreira. Isso não pode ser normal ou obra do acaso.

Como se não bastasse, a atuação do Brasil foi abalada por um "piripaque" do Ronaldo, jogador brilhante e que depois veio a se tornar o maior artilheiro da história em Copas do Mundo.

Muito bem. Sabemos que a França era o campo adequado para receber a semente do Espiritismo, mas não para o seu florescimento. Uma vez revelado, o Espiritismo praticamente se extinguiu de seu berço e de todo o velho mundo, deslocando-se para o Brasil. A Europa, aliás, recebeu o Espiritismo da mesma forma como os gregos receberam as pregações de Paulo de Tarso, com ceticismo e indiferença.

Mas há literatura que esclarece ter havido um trabalho direcionado a conduzir não só o Espiritismo, mas também uma vasta legião de espíritos ligados à França e a eventos como a Revolução Francesa e a Noite de São Bartolomeu ao Brasil, para que fosse implantada essa "fase" da Pátria do Evangelho em campo novo e fértil, tudo conforme os objetivos do Evangelho e as necessidades desses e outros espíritos.

Ou seja, afora as conexões que conhecemos registradas na História, há muito mais acontecendo do ponto de vista espiritual, que às vezes nem supomos. Conhecemos uma fatia pequena de tudo, e quem poderá dizer que as emoções desencadeadas com os "meros" espisódios futebolísticos nada têm a ver com tudo isso? Não é pouca coisa.

E, finalizando, vejamos a cidade de Lyon. Foi o berço do Cristianismo nas Gálias, e por lá se desenrolaram importantes espisódios que envolveram, por exemplo, espíritos como Bezerra de Menezes, conforme nos relata Emmanuel em "Ave, Cristo". É uma cidade especial no que respeita à história do Cristianismo Primitivo, que buscamos resgatar com o Espiritismo.

Lyon tem um time de futebol, de mesmo nome. Esse time foi fundado em 1899. Mas apenas em 2002 conquistou um título do campeonato francês, e não foi só um: conquistou 7 títulos consecutivos.

O que aconteceu de diferente com o Lyon a partir de 2002? A contratação de uma legião de jogadores brasileiros, capitaneados por Juninho Pernambucano. Tudo acaso?

Não posso afirmar que isso tudo tem mesmo alguma relação. Mas me parece mais provável que tenha algo a ver do que o contrário. Em todo o caso, fica aí para os "pensadores viajantes" de plantão como eu analisarem se temos aqui apenas digressões inúteis ou reflexões que nos induzem a confirmar a assertiva de Shakespeare de que "Existem mais coisas no céu e na Terra, Horácio, que a tua filosofia jamais sonhou".

E esse "no céu e na Terra" certamente inclui os planos espirituais... Ou não?

PS: Prezada HOLANDA, esperamos que o último jogo Brasil X Holanda tenha sido suficiente para pagarmos por ter expulsado vocês de Pernambuco, mesmo após a grande e humana administração de Maurício de Nassau, no século  XVII. Ou seja, na próxima Copa, estamos livres para ganhar, certo?

PS 2: Se as derrotas para a França em Copas forem "prestações" do "pagamento" pelo Espiritismo, é melhor não trombarmos com eles de novo, porque certamente faltam ainda muitas parcelas. E que São Luís (Governador espiritual da França) não consiga influenciar muito os sorteios dos grupos e o chaveamento das próximas Copas do Mundo...

terça-feira, 29 de junho de 2010

Mensagens para o site Viajante do Universo

Prezados amigos, bom dia (tarde ou noite).


Desde que nosso novo site está no ar, há cerca de 10 dias, recebemos, por meio do formulário disponível para contato em nossa página, mensagens de pessoas que queriam saber alguma informação sobre CDs, apresentações etc.

Ocorre que estávamos com um erro no código e, por isso, as mensagens postadas chegaram pra gente sem o endereço de e-mail de quem escreveu, o que tem nos impedido de retornar.

O problema já foi corrigido, mas peço aos amigos que não foram respondidos que escrevam novamente, pois estamos sem ter como identificar e contactar os remetentes.

Espero que compreendam.

Abraços!

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Nova música - Verdades

Olá, amigos.

Coloquei uma música nova no youtube, e normalmente isso não seria motivo pra um post aqui no Blog.

Mas... há uma situação particular que eu gostaria de compartilhar com os amigos e - penso eu - fará especial sentido para alguns.

Ontem, domingo, fiz uma sequência de acordes que registrei pela manhã, sem maiores inspirações.

Depois, em resposta ao e-mail que mandei para várias pessoas falando sobre o site novo, recebi uma resposta da Juliana Garcia, "antiga" amiga de BH, dizendo ter visto o site etc.

Eu e a Juliana fizemos uma música juntos há mais de 10 anos. É a música "Despertar", que foi gravada no ano 2000, naquele primeiro CD Viajante do Universo, e que pode ser ouvida clicando aqui.

A Juliana também comentou que estava escrevendo mais algumas coisas e mandou uma letra nova, intitulada "Verdades". Imediatamente, pensei que poderia ter a ver com a inspiração da manhã, e apesar de eu estar me sentindo bem fora de sintonia, acabou saindo essa nova música, cujo vídeo posto a seguir:



E o que há de especial? Bem, talvez nada, e espero apenas que gostem da música.

Mas especificamente para certo grupo de amigos que vem se reunindo desde 1998, mais ou menos, e para os quais a música "Despertar" quem sabe representou alguma parcela do que vivíamos em grupo, em nossos trabalhos no movimento espírita de então, penso que talvez exista, comparando-se as situações, uma proporcionalidade dessa nova música em relação ao momento atual.

O tempo passa. As coisas mudam. Mas a percepção de que há algo coletivo a ser implementado continua "importunando" muitos de nós, e o movimento de busca mútua vai se manifestando como expressão da bondade Divina, a nos colocar no encalço de situações que possam representar as melhores oportunidades de crescimento para cada um.

Ontem, o deslumbramento da descoberta, o "despertar" de um sentido. Hoje, a percepção mais madura das dificuldades, mais realista das necessidades, enfim, outras "verdades". (E, aliás, onde elas estão?)

Ainda bem que durante todo esse tempo novas e imprescindíveis personalidades vêm se juntando às nossas experiências coletivas, de modo que, enriquecidos de amigos e de experiências, conservamos a esperança de êxito na seara para a qual nos oferecemos e na qual nos mantemos erguidos tão somente porque somos, sempre, amparados por esses muitos amigos, desse e do outro plano.

Abraços a todos.

*** Em tempo: vale registrar que hoje, num lance de muita cara de pau (rs), eu mostrei essa música para os amigos do Grupo BEM, do Espírito Santo, porque imaginei que tem muito a ver com a energia deles. Será? Bom, fiz a sugestão, porque eu não poderia deixar de dizer... Mas que é cara de pau, isso é, hehehe... Contudo, é como se eu já conseguisse ouví-los tocar a música, num arranjo cheio de energia... Quem sabe?

domingo, 20 de junho de 2010

Novo site no ar!!!

Prezados amigos,

É com muita alegria que comunico a todos que já está no ar o nosso novo site!

Graças à inestimável colaboração de preciosos amigos do nosso trabalho, já está no ar uma página de cara nova e com ambiente mais amigável.

No site é possível baixar MP3 e cifras de diversas músicas, inclusive as constantes no CD Viajante do Universo, além de estarem disponíveis o nosso álbum de fotos, nossa página de vídeos, nosso Blog etc.

As novidades ficam por conta do Livro de Visitas e da Agenda online.

Visite, divirta-se e divulge!

www.viajantedouniverso.org.br

Que esse trabalho continue caminhando, desde que os amigos continuem entrando nessa sinotnia e desde que cumpramos o nosso objetivo de espalhar uma mensagem de fraternidade por meio da música.

Forte abraço a todos!

terça-feira, 15 de junho de 2010

Eventos de arte espírita pelo Brasil

Há alguns anos tenho participado de diversos eventos de arte espírita, em variadas cidades do Brasil.

Isso se soma às notícias de muitos outros eventos que sempre acontecem, e fico com a impressão de que essa movimentação tem crescido e muito.

São variados formatos. Alguns eventos contam "só" com a música; outros abrangem o teatro, a poesia, a expressão corporal etc. Alguns são mais simples, outros mais bem elaborados; uns acontecem nas próprias casas espíritas, outros são realizados em teatros ou salões.

Em regra, são capitaneados por jovens, mas contam com o apoio crescente dos dirigentes e demais frequentadores das casas espíritas.

O registro que quero fazer é sobre como é importante essa movimentação. Muitas vezes nem parece algo concatenado, mas creio que o seja, pois a fonte da qual verte essa tendência possivelmente é a dos próprios espíritos que pretendem nos ajudar na tarefa de iluminação, também por meio da arte.

Quando nos reunimos para cantar e fazer essas outras atividades artísticas, acendemos aquela chama de sentimento que nos auxilia a equilibrar nossa espiritualidade, nossos sentidos. É o que se pode chamar de formação de ambiente espiritualizante, algo tão favorecido pela força da arte.

A energia criadora que todos temos, e que cada um precisa exercitar ao seu modo, encontra, nas expressões artísticas, um veículo muito adequado para se realizar. E não deve ser outro o motivo das lágrimas e demais sentimentos bons que nos dominam quando nos entregamos a essas atividades.

Se você tiver a oportunidade, participe, promova, incentive, fomente eventos assim. Pode ser um encontro simples, que reúne os companheiros da casa espírita numa tarde pra cada um dividir um pouco dos seus talentos. Ou pode ser alguma atividade mais elaborada, com a participação de companheiros que militam em outras frentes, para enriquecer a troca de experiências. Pode ser, ainda, a simples utilização da música nas casas espíritas, antes ou depois da palestra pública, por exemplo. As iniciativas mais simples, aliás, muitas vezes são as mais tocantes.

Os frutos têm sido muitos. E eu aproveito para externar minha gratidão aos companheiros que tenho encontrado realizando algo desse tipo em diversos lugares. Para mencionar os mais recentes, cito a Apresentação do Grupo Verbos de Versos em Nova Lima, a Mostra de Arte Espírita de Cataguases, o I Sarau da Casa Espírita em Juiz de Fora, o VII Festival de Música Espírita de Bicas e o VII Unificarte, em Barra Mansa.

A impressão geral é de muita satisfação dos envolvidos, e acredito que esses eventos estão bem interligados uns aos outros, ainda que assim não pareça, e seguirão crescendo mais e mais, permitindo-nos alcançar o duplo objetivo de promover o ambiente espiritualizante por meio das melodias e divulgar as máximas do Evangelho com as mensagens e reflexões que procuramos transmitir.

Veja, no nosso álbum de fotos, registros de alguns desses eventos. Clique aqui.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Música espírita e "pirataria"

Olá, amigos.

Semanas atrás, conversando com um amigo, veio à tona a questão da "pirataria" dos trabalhos espíritas.

Particularmente, sou totalmente a favor dessa pirataria, e por diversas razões. Vale resumir.

Primeiro, penso que se não fosse a a disponibilização pela Internet, a cópia de arquivos e CDs etc, os diversos trabalhos de música espírita seriam estanques, limitados geograficamente, pra dizer o mínimo. É que não temos mídias tradicionais, não temos a força do dinheiro, não temos capacidade de distribuição e outros meios que normalmente fazem uma música chegar nas pessoas.

Então, hoje, um trabalho musical às vezes alcança um ponto distante justamente porque alguém "pirateou" um CD.

Em segundo lugar, se nós acreditamos na mensagem que veiculamos, devemos reconhecer que toda a maneira de difundí-la é útil e bem vinda. A mensagem de bem não pertence a ninguém, e quanto mais puder se espalhar, melhor.

Sei que as produções têm um custo e que esse custo muitas vezes só é pago pela venda. Eu mesmo contabilizo, até hoje, prejuízo financeiro com o CD Viajante do Universo, e olha que eu tive ajudas importantes, como o "precinho camarada" dos que comungam da causa, a ajuda voluntária de diversos amigos e até a bilheteria de uma apresentação de Tim e Vanessa que foi doada pra ajudar nas despesas do Viajante.

Mas quem disse que seria fácil? Se pretendemos fazer alguma coisa diferente, em moldes difererentes dos esquemas viciados que o mundo tem à vontade, vamos precisar mudar esse nosso modo de agir, de pensar, de fazer.

Eis a oportunidade pra sermos diferentes.

Por isso, pra mim, não existe pirataria, e sim ferramenta de divulgação. Aliás, se não fosse a Internet, eu acredito que sequer teria gravado um CD. Não é por outra razão que todas as músicas do Viajante do Universo estão disponíveis para download em suas versões completas, como também as músicas dos CDs de Tim e Vanessa, entre outros trabalhos.

Cabe, porém, uma observação: isso não significa de maneira nenhuma uma crítica aos amigos que projetam e efetivam seus trabalhos segundo outra lógica e que não aprovam a cópia de seus trabalhos. Cada um é que sabe de suas possibilidades, dificuldades, necessidades etc. O que estou propondo aqui é apenas um modo de ver, que venho adotando porque a vida, por outro lado, tem permitido.

E, no mais, tenho colhido uma preciosa recompensa de tudo isso, de maneira inesperada, surpreendente e imerecida: é a amizade de tão diversas pessoas que se afinizam com o nosso trabalho e que me permite estar entre amigos sempre, mesmo que eu entre num recinto onde pensava não conhecer ninguém.

É que é extremamente gratificante esse convívio fraternal baseado na sintonia de propósitos.

Em tempo: outra revolução silenciosa e baseada na gratuidade que vem surgindo são as web rádios espíritas. Hoje, há espaço e jeito se fazer essas coisas, então temos aí o surgimento gradual de outra boas iniciativas que divulgam esse tipo de trabalho pra quem se interessar. Isso é muito bom.

*** OBSERVAÇÃO: prezados, estou incluindo esta observação em 07/06/2010. É que a partir de atentas observações de alguns amigos e após reler o que escrevi, queria apenas esclarecer que quando eu disse que toda a maneira de difundir o nosso trabalho é bem vinda, eu me referi àquilo o que pode ser feito legítima e legalmente, ou seja, por quem possui o direito de dispor sobre as obras.

Naturalmente, eu não quis defender a idéia de que o particular possa por si mesmo fazer esse tipo de coisa, até porque isso pode configurar crime, segundo a lei brasileira.

Caso isso não tenha ficado cristalino, espero assim deixá-lo com essa observação.

sábado, 22 de maio de 2010

DVD - Tim e Vanessa

Olá, prezados amigos.

Para quem ainda não sabe, já ficou pronto o DVD da dupla Tim e Vanessa. Além de uma coletânea do repertório, foram incluídas músicas inéditas. O trabalho está bem legal e quem quiser mais informações ou adquirir pode acessar o site deles aqui.




Mas já está no youtube uma demonstração, com o clipe da música Alívio na íntegra. Vejam abaixo.

Abraços a todos, bom fim de semana, e nossa lembrança dos 40 anos que o Jônatas faria amanhã, se ainda estivesse conosco. Lá onde ele está, deve estar completando alguns milhares de anos. O nosso abraço!

 

sábado, 15 de maio de 2010

Reencontro e Jônatas II

Amigos,

Como o post anterior, sobre a música Reencontro e sua composição, teve uma repercussão muito legal, vou acrescentar alguns detalhes.

O primeiro é, para aqueles que não sabem, os links de duas versões da música. A primeira é a mais original, digamos, e foi gravada no ano 2000 da forma como a Thaís comentou, após muita insistência do Jônatas pra que fizéssemos um cd com algumas músicas da mocidade. Eis o link:

 Reencontro - versão ano 2000


A segunda versão da música é a que estã no CD Viajante do Universo, lançado em 2008:

Reencontro - CD Viajante do Universo

O que ocorreu é que no ano 2000 eu e o Jônatas fizemos mais algumas músicas, entre elas Viajante do Universo. Em novembro desse mesmo ano, numa viagem que fizemos a Três Rios para uma Pós-Comemofra, o Jônatas ficou me desafiando no carro a gravar um cd que registrasse algumas das músicas que vinhamos fazendo e algumas músicas antigas que cantávamos lá no Grupo Ló.

Topei o desafio e fizemos , em dezembro, um cd que depois foi copiado manualmente, pelo próprio Jônatas. Vendemos algumas cópias no final do ano ali na mocidade e na Comemofra do ano seguinte. Foi bem despretensioso.

Mas eu não poderia imaginar como aquele trabalho seria divulgado. É que tudo foi colocado na Internet e divulgado na Comemofra, o que é como jogar num grande ventilador. E isso fez com que aquele registro se espalhasse de uma maneira muito interessante e que depois nos levou a fazer um registro mais cuidadoso das músicas em 2007, que culminou no cd lançado em 2008.

A música "Como é bom estar contigo", como eu mencionei no outro post, é uma homenagem ao Jô. Por isso, naquele pequeno comentário que existe ao final de cada música do CD Viajante do Universo, eu escrevi o seguinte texto:

"Transcorre a vida, célere, e a sensação de guardarmos junto a nós o carinho dos amigos nos reconforta, seja qual for a transitoriedade em que estacione o vínculo, segundo necessidades que Deus inequivocamente conhece. Jamais olvidaremos nós amigo tão amado e saudoso."

Reparem, então, que as letras iniciais das palavras da última frase formam, não por acaso, o nome do Jônatas.

Despeço-me postando, pra quem não conheceu nosso amigo Jô, uma foto dele, tirada na Cidade da Fraternidade: