terça-feira, 1 de junho de 2010

Música espírita e "pirataria"

Olá, amigos.

Semanas atrás, conversando com um amigo, veio à tona a questão da "pirataria" dos trabalhos espíritas.

Particularmente, sou totalmente a favor dessa pirataria, e por diversas razões. Vale resumir.

Primeiro, penso que se não fosse a a disponibilização pela Internet, a cópia de arquivos e CDs etc, os diversos trabalhos de música espírita seriam estanques, limitados geograficamente, pra dizer o mínimo. É que não temos mídias tradicionais, não temos a força do dinheiro, não temos capacidade de distribuição e outros meios que normalmente fazem uma música chegar nas pessoas.

Então, hoje, um trabalho musical às vezes alcança um ponto distante justamente porque alguém "pirateou" um CD.

Em segundo lugar, se nós acreditamos na mensagem que veiculamos, devemos reconhecer que toda a maneira de difundí-la é útil e bem vinda. A mensagem de bem não pertence a ninguém, e quanto mais puder se espalhar, melhor.

Sei que as produções têm um custo e que esse custo muitas vezes só é pago pela venda. Eu mesmo contabilizo, até hoje, prejuízo financeiro com o CD Viajante do Universo, e olha que eu tive ajudas importantes, como o "precinho camarada" dos que comungam da causa, a ajuda voluntária de diversos amigos e até a bilheteria de uma apresentação de Tim e Vanessa que foi doada pra ajudar nas despesas do Viajante.

Mas quem disse que seria fácil? Se pretendemos fazer alguma coisa diferente, em moldes difererentes dos esquemas viciados que o mundo tem à vontade, vamos precisar mudar esse nosso modo de agir, de pensar, de fazer.

Eis a oportunidade pra sermos diferentes.

Por isso, pra mim, não existe pirataria, e sim ferramenta de divulgação. Aliás, se não fosse a Internet, eu acredito que sequer teria gravado um CD. Não é por outra razão que todas as músicas do Viajante do Universo estão disponíveis para download em suas versões completas, como também as músicas dos CDs de Tim e Vanessa, entre outros trabalhos.

Cabe, porém, uma observação: isso não significa de maneira nenhuma uma crítica aos amigos que projetam e efetivam seus trabalhos segundo outra lógica e que não aprovam a cópia de seus trabalhos. Cada um é que sabe de suas possibilidades, dificuldades, necessidades etc. O que estou propondo aqui é apenas um modo de ver, que venho adotando porque a vida, por outro lado, tem permitido.

E, no mais, tenho colhido uma preciosa recompensa de tudo isso, de maneira inesperada, surpreendente e imerecida: é a amizade de tão diversas pessoas que se afinizam com o nosso trabalho e que me permite estar entre amigos sempre, mesmo que eu entre num recinto onde pensava não conhecer ninguém.

É que é extremamente gratificante esse convívio fraternal baseado na sintonia de propósitos.

Em tempo: outra revolução silenciosa e baseada na gratuidade que vem surgindo são as web rádios espíritas. Hoje, há espaço e jeito se fazer essas coisas, então temos aí o surgimento gradual de outra boas iniciativas que divulgam esse tipo de trabalho pra quem se interessar. Isso é muito bom.

*** OBSERVAÇÃO: prezados, estou incluindo esta observação em 07/06/2010. É que a partir de atentas observações de alguns amigos e após reler o que escrevi, queria apenas esclarecer que quando eu disse que toda a maneira de difundir o nosso trabalho é bem vinda, eu me referi àquilo o que pode ser feito legítima e legalmente, ou seja, por quem possui o direito de dispor sobre as obras.

Naturalmente, eu não quis defender a idéia de que o particular possa por si mesmo fazer esse tipo de coisa, até porque isso pode configurar crime, segundo a lei brasileira.

Caso isso não tenha ficado cristalino, espero assim deixá-lo com essa observação.

11 comentários:

Rone disse...

Um dos objetivos da música espírita não é a divulgação da doutrina? Como iremos divulgar algo, onde apenas alguns teriam acesso e meios para conseguir? Seria de certa forma uma divulgação para "elite".

Sou completamente a favor da distribuição dos cds de forma "pirateada" e através de sites. Hoje, esta é a melhor divulgação.

Vejo que há uma questão, alguns grupos produzem um cd para "auxiliar" uma instituição, neste caso, a visão e o objetivo é outro, então concordo em não permitirem e facilitarem a cópia, pois devemos também ajudar. O amigo Junior Vidal produziu o maravilhoso cd "CONFIA" para auxiliar um hospital espírita. Não divulgou mais que 4 músicas, (o cd é duplo, um vocal e outro instrumental). As músicas são incríveis, músico profissional, estilo Djavan, concordei plenamente com a restrição de cópia do cd, pois isto incentiva a compra do cd e o auxílio ao hospital.

Mas como você mesmo disse Denis, depende de cada músico, de cada objetivo. Acredito que disponibilizar as músicas em sites é uma idéia que está sendo "copiada" aos poucos e em breve a maioria dos músicos estarão divulgando assim.

No you tube também, há muitos músicos espíritas que utilizam apenas vídeos para divulgarem as músicas.

Até na Rádio Fraternidade, 99% dos músicos colocam as músicas para divulgar sem problemas. Acho que a divulgação está ligada ao real objetivo da música, seria divulgar a doutrina, o evangelho ou se auto divulgar?

Bem... se você Denis não colocasse as músicas no site, acho que nem eu teria lhe conhecido! rs...

paz para todos...

Rone

Anônimo disse...

Concordo tanto com Denis quanto com Rone.
Conheço o trabalho do Denis porque num belo dia digitei "música espírita" no google e tive a felicidade de visitar o site da mofra.
Sou encantada pelo trabalho do Denis e não sabia como obter o cd Viajante do Universo, mas pude baixar as músicas e repassá-las para diversos amigos até que um dia descobri que o Denis e Ló estavam mais perto do que imaginava! Hoje tenho o cd original.
A "pirataria" permite a divulgação espontanea da doutrina através das músicas.
É claro que há custos, isso é indiscutível, mas o potencial de divulgação deve ser observado também.
Nossos mentores e guias estão ao nosso lado. Se o ideal é nobre, a ajuda não tarda.
Abraço a todos.
Luciana

Julio Cesar Fleming Seabra disse...

Olá Denis, conheci a música Espírita através de voce, certo dia entrei no site do MOFRA e conheci suas músicas, baixei todas e as letras também, são lindas e agora gostaria de poder comprar. Obrigado e Parabéns!

Rone disse...

Talvez o nome nem seja "pirataria"... pois quem libera suas músicas não está pirateando, mas sim fazendo músicas livres para serem distribuídas. Os cds que são vendidos e não possuem músicas em sites de forma livre, (não preciso citar nomes ) estes eu não faço cópias (pirataria) e nem aconselho.

Denis Soares disse...

Oi, pessoal.

Obrigado pelos comentários de vcs. Esse tema é muito importante e é legal agitarmos essas idéias.

Até o uso da palavra "pirataria" foi feito pra provocar mesmo. Como o Roney bem observou, isso não seria pirataria na acepção comum, pois o que temos aqui é algo permitido.

E é bem legal saber que o Julio e a Luciana são exemplos de gente que só chegou até esse material porque está à vontade na Internet. Quer dizer, reforça a idéia de que o nosso papel é permitir o acesso e deixar acontecer. E pronto.

E é por isso que eu tenho certeza de que isso não faz vender menos CDs, por exemplo. Ao contrário. Muita gente entra em sintonia, conhece e depois compra o CD mesmo já tendo as músicas, por que quer ter o CD de verdade ou porque quer contribuir mesmo.

Isso é bem legal.

De minha parte, pretendo seguir fazendo o possível para que tudo o que temos seja cada vez mais aberto. Nesse sentido, em breve nosso novo site, né Roney?

Valeu, amigos. Abraços e boa semana!

Rone disse...

Com certeza Denis.

Acho que a alegria de ver a música e o seu conteúdo espalhando pela internet é tão grande, que as pessoas que estão "segurando" as músicas estão só perdendo...

Denis Soares disse...

Pois é, Roney. E concordo muito contigo. Mas não podemos deixar de frisar que os motivos que levam algunas artistas a não divulgarem suas músicas são compreensíveis e justificáveis.

Quer dizer, na nossa lógica atual, isso é possível. Mas comentando sobre isso não queremos, de nenhuma maneira, pressionar os demais que façam o mesmo que nós ou sugerir que essa é uma maneira mais correta.

o importante é apenas frisar a nossa posição e fundamentá-la, porque ás vezes alguém ainda naõ faz assim simplesmente porque não refletiu em outras nuances do caso.

Grande abraço, amigo!

Sader Chambela disse...

Grande amigo Denis!
Ótima questão proposta meu irmão!
Mais uma vez, demoro a comentar porque fico dias "matutando"...

Rapaz, realmente as preocupações de se quitar as dívidas adquiridas com o lançamento de um CD são enormes, acompanhamos isso de perto, e acredito que isso seja motivo para que muitos músicos espíritas desistam de lançar um segundo CD.

Bom, como já te falei, eu copio tudo! Com ou sem qualidade!... e na primeira oportunidade, faço questão de adquirir o produto original.
Penso que, como espírita, é uma obrigação que tenho... é um apoio à instituição beneficiada pela vendagem, é um incentivo à continuação do trabalho e é uma demonstração de respeito ao talento e sensibilidade do artista.

Mas pra gente que está aqui na "roça" é justamente essa divulgação livre que nos permite conhecer, aprender e divulgar os trabalhos de músicos tão talentosos.

Tento não julgar as opções dos artistas de divulgar ou não divulgar livremente o trabalho.
Sempre estaremos longe de conhecer os verdadeiros motivos dos que optam por não divulgar. Mas me entristece essa restrição.
Vivemos num período em que vemos claramente a necessidade de mais arte elevada, de mais veículos que despertem nos seres os sentidos de abstração, diluindo as ilusões da matéria e ligando-os às realidades espirituais.
Então penso que todo esforço nesse sentido é de grande valia.

Penso ainda que toda "Arte Espírita" (seja isso o que for!), na divulgação da mensagem do Cristo, não é um trabalho unicamente do artista encarnado, já que ele se faz médium das belezas superiores, uma ferramenta de divulgação.

Lembro das palavras de Paulo de Tarso: "é preciso calar nossa voz para que a do Cristo possa falar". Isso me deixa a idéia de que devemos de todas as formas (lícitas) facilitar que a palavra do Mestre seja espalhada.

Quanto aos recusrsos... na divulgação da Arte Sublime espalhando o belo e bom em nome do Cristo não há prejuízo monetário, há investimento moral, lucraremos sempre!

Abraço a todos!!
Sader

Anônimo disse...

Somos piratas do patrimônio de Deus. Nos apropriamos da vida que ele nos deu e não queremos retribuir sua bondade inesgotável dando aos outros o que produzimos graças à nossa existência, que é dom gratuito do Criador. Um dia os espíritas hão de entender essa óbvia situação.

Quanto ao custeio, para não ter que arcar com prejuízos, os artistas espíritas podem recorrer às leis de incentivo à cultura, como já fizeram os produtores dos filems sobre Bezerra de Menezes, Chico Xavier e Nosso Lar, sucessos garantidos de bilheteria, excelente fonte de lucro e conforto material.

Fabiana disse...

Olá Denis, gosto muito de suas músicas e me compactuei também com suas ideias sobre esse tema. Tenho procurado o CD Viajante do Universo para comprar, mas até hoje não consegui encontrá-lo. Você disse no texto que as músicas do CD estão disponíveis para download. Poderia me passar o site?

Grande Abraço e muito obrigada

Denis Soares disse...

Fabiana,

o Site é www.viajantedouniverso.org.br

Mas é que há alguma s semanas estamos com problemas no servidor e ele está fora do ar. Estamos tentando solucionar para que em breve esteja de novo, e aí volta o acesso aos mp3, cifras etc.

Um abraço!