domingo, 4 de julho de 2010

E na próxima Copa do Mundo?

A Copa do Mundo nos mobiliza de maneira especial. E conversando por e-mail com a Carol, amiga de São Paulo (e conhecida da maioria dos leitores desse blog, eu creio), ela disse o seguinte:

Falando em "show de bola", fim de Copa para nós, né? Que pena.........! Só daqui 4 anos, com todos mais velinhos!

E me fez pensar muito sobre estarmos mais velhinhos, pois 4 anos é mesmo tempo significativo. É comum que a gente se lembre do que fazia nas Copas, mas às vezes não nos lembramos do que fazíamos há um ano. Eu mesmo me lembro perfeitamente que na Copa de 1994 (sim, 94) eu saia pra jogar bola na rua nos intervalos dos jogos e após eles... são coisas muito marcantes. Lembro até mesmo que na Copa de 1990 eu comi pipoca com queijo na casa de uns primos, durante Brasil e Suécia...

Mas será que pensamos o que podemos e devemos fazer em 4 anos? Dizem (acho que o Bill Gates disse) que temos a tendência de superestimar o que podemos fazer em 1 ano, mas subestimamos o que pensamos poder fazer em 10 anos. E na próxima Copa, como queremos estar?

Quais são as conquistas da vida pessoal, profissional e, principalmente, de valores do nosso espírito que queremos ver em nós mesmos quando o Brasil ficar de cabeça na próxima Copa do Mundo?

Acho que vale pensar o que éramos há 4 anos e fazer um cotejo com o que pretendíamos ser hoje, bem como com o que queremos ser daqui a 4 anos. É um exercício simples mas útil, pois uma vida sem reflexão sobre si mesma é uma vida com menos possibilidades de atingir os fins colimados. E isso vale tanto numa perspectiva individual, das coisas que pretendemos, como do ponto de vista da evolução que procuramos encetar, desde que reconhecemos que essa é a finalidade de nossas reencarnações.

Saindo um pouco desse óbvio, penso também que as Copas traduzem muito mais do que podemos imaginar. As nações se mobilizam e o jogo dos débitos coletivos, quem sabe, encontra nessa ocasião campo fértil pra ajustar a relação entre as nações. Nesse ponto, eu não poderia deixar de fazer uma grande viagem, ainda mais se tratando de futebol, que, como dizem alguns, é a melhor reprodução do modelo de guerras que alimentou as sociedades durante tantos séculos. Ao menos, hoje, há menos mortes.

Vejamos a relação do Brasil com a França. No futebol, somos muito superiores, mas morremos de medo de encontrá-los em Copas, pois eles sempre ganham. O primeiro título mundial deles, aliás, foi graças a nós, e foi a única vez que o Brasil tomou 3 gols num jogo de Copa, sendo 2 gols de cabeça e feitos por um jogador que NUNCA tinha marcado um gol de cabeça na carreira. Isso não pode ser normal ou obra do acaso.

Como se não bastasse, a atuação do Brasil foi abalada por um "piripaque" do Ronaldo, jogador brilhante e que depois veio a se tornar o maior artilheiro da história em Copas do Mundo.

Muito bem. Sabemos que a França era o campo adequado para receber a semente do Espiritismo, mas não para o seu florescimento. Uma vez revelado, o Espiritismo praticamente se extinguiu de seu berço e de todo o velho mundo, deslocando-se para o Brasil. A Europa, aliás, recebeu o Espiritismo da mesma forma como os gregos receberam as pregações de Paulo de Tarso, com ceticismo e indiferença.

Mas há literatura que esclarece ter havido um trabalho direcionado a conduzir não só o Espiritismo, mas também uma vasta legião de espíritos ligados à França e a eventos como a Revolução Francesa e a Noite de São Bartolomeu ao Brasil, para que fosse implantada essa "fase" da Pátria do Evangelho em campo novo e fértil, tudo conforme os objetivos do Evangelho e as necessidades desses e outros espíritos.

Ou seja, afora as conexões que conhecemos registradas na História, há muito mais acontecendo do ponto de vista espiritual, que às vezes nem supomos. Conhecemos uma fatia pequena de tudo, e quem poderá dizer que as emoções desencadeadas com os "meros" espisódios futebolísticos nada têm a ver com tudo isso? Não é pouca coisa.

E, finalizando, vejamos a cidade de Lyon. Foi o berço do Cristianismo nas Gálias, e por lá se desenrolaram importantes espisódios que envolveram, por exemplo, espíritos como Bezerra de Menezes, conforme nos relata Emmanuel em "Ave, Cristo". É uma cidade especial no que respeita à história do Cristianismo Primitivo, que buscamos resgatar com o Espiritismo.

Lyon tem um time de futebol, de mesmo nome. Esse time foi fundado em 1899. Mas apenas em 2002 conquistou um título do campeonato francês, e não foi só um: conquistou 7 títulos consecutivos.

O que aconteceu de diferente com o Lyon a partir de 2002? A contratação de uma legião de jogadores brasileiros, capitaneados por Juninho Pernambucano. Tudo acaso?

Não posso afirmar que isso tudo tem mesmo alguma relação. Mas me parece mais provável que tenha algo a ver do que o contrário. Em todo o caso, fica aí para os "pensadores viajantes" de plantão como eu analisarem se temos aqui apenas digressões inúteis ou reflexões que nos induzem a confirmar a assertiva de Shakespeare de que "Existem mais coisas no céu e na Terra, Horácio, que a tua filosofia jamais sonhou".

E esse "no céu e na Terra" certamente inclui os planos espirituais... Ou não?

PS: Prezada HOLANDA, esperamos que o último jogo Brasil X Holanda tenha sido suficiente para pagarmos por ter expulsado vocês de Pernambuco, mesmo após a grande e humana administração de Maurício de Nassau, no século  XVII. Ou seja, na próxima Copa, estamos livres para ganhar, certo?

PS 2: Se as derrotas para a França em Copas forem "prestações" do "pagamento" pelo Espiritismo, é melhor não trombarmos com eles de novo, porque certamente faltam ainda muitas parcelas. E que São Luís (Governador espiritual da França) não consiga influenciar muito os sorteios dos grupos e o chaveamento das próximas Copas do Mundo...

7 comentários:

Rone disse...

Sabe o que mais me intrigou sobre espiritismo e futebol até hoje?

Chico afirmou anos antes de morrer, que Emmanuel contou-lhe que ele apenas iria morrer quando todo o Brasil estivesse feliz... o Brasil ganhou a copa, e chico desencarnou...

Emmanuel já sabia que o Brasil iria ganhar a copa! Um evento grande destes como a copa desencadeia muitos outros pequenos mas importantes...veja a França quando ganhou do Brasil, ela passava por uma instabilidade financeira e política, e tudo de certa forma se acertou, na época afirmaram que foi pela mudança de comportamento das pessoas por estarem mais felizes!!!

Quem será que irá ganhar a copa? Será que há algum planejamento espiritual nisto tudo?

Devaneios?

Existem mais coisas entre o céu e a Terra que nossa compreensão possa responder...

Lucas Alves disse...

Denis, fiquei pensando uma coisa agora: se São Luís é o Governador Espiritual da França, e o Mineirão fica no bairro de São Luís, é possível que a França jogue no Mineirão?
Brincadeiras à parte, ainda não tinha pensado na relação do futebol com as "coisas" do mundo espiritual... Realmente deve ter algo a ver sim, porque o futebol assumiu um papel importante na relação entre os povos. As rivalidades saudáveis (ou não) que existe entre alguns países pode até servir para se pensar nos débitos adquiridos ao longo da história, uma vez que os povos, ao torcer, projetam suas emoções no esporte. É curioso ver que nessa copa rivais históricos se encontraram, como BrasilxPortugal, EspanhaxParaguai, por exemplo. Mesmo que os débitos não sejam pagos através da bola, a integração entre os povos e a ressignificação da imagem dos países é verificada em competições como a copa do mundo. E uma coisa sempre é vista: independente de como está a seleção brasileira, ela consegue a simpatia da maioria dos outros países, mesmo sendo temida... talvez por representarmos algo pro mundo que vai além do futebol. Abraços!

Tonho disse...

Nunca havia pensado essa relação espiritismo, acontecimentos históricos, futebol e pagamento de débitos.
Muito interessante olhar para o futebol assim, da até pra palpitar umas previsões!!!

abração

Mauro (Bsb) disse...

Realmente é de se notar o "engrandecimento" dos franceses diante da Seleção, sempre que ambos se encontram. E isso desde Fontaine, nos idos de 50 e 60 até Platini, na copa de 86 e Zidane (que, convenhamos, jogava demais, né?!).
Também é muito interessante observar como o futebol influencia na vida das pessoas... o que eu vi de revolta e mágoa depois do jogo contra a Holanda... E nem é pra tanto!

Agora, tenho cá as minhas interpelações e reflexões sobre futebol e espiritualidade. O que explicaria, por exemplo, a maior rivalidade esportiva de todos os tempos: Brasil X Argentina?!
Às vezes me pego torcendo contra os hermanos por prazer de vê-los perder... E dizem que por lá a coisa é bem pior. Como pode isso?!

Nada de devaneios... Lei de Causa e Efeito, pura e simplesmente!

Abraço a todos!

Rone disse...

Sim, com certeza não há devaneios.

Em tudo há um "dedo" da espiritualidade, auxiliando a todos a caminharem em rumo a evolução, sem saltos, mas com o apoio necessário.

A copa do mundo é algo grandioso, afeta milhares, e com certeza a vitória de um time faz diferença para o país. Estamos ai para fazer a diferença, e temos o apoio necessário.

abraços!

Carol disse...

Muito interessantes as reflexões. Foi uma injeção de dúvidas e reflexões para mim, já que, assim como afirmaram o Toninho e o Lucas, eu também nunca havia pensado sobre a relação entre o futebol e a lei de causa e efeito, entre esportes em geral e as questões espirituais.

Eu mesma, por exemplo, assisto jogos de futebol apenas de 4 em 4 anos (meus aluninhos ficam decepcionados quando perguntam para que time eu torço, pois a resposta sempre é "torço para o Brasil, nas Copas, de 4 em 4 anos".... he, he, he... A molecada fica indignada). Após ler a reflexão de todos aqui no blog, fiquei pensando no porquê gosto tanto de assistir os jogos do Brasil na Copa, com atenção e muitas perguntas, e até outros jogos da Copa, se na maioria dos demais contextos eu detesto futebol...! A união e empolgação das pessoas para torcer pelo seu país é algo que gera um sentimento bom, contagiante, eu acho!

Bom, Denis, qual é ao certo a relação de tudo isso que você apontou, não dá pra saber, mas a idéia faz MUITO SENTIDO! Muito interessante...!

Ah, uma coisa específica, que não posso deixar de registrar (desculpo-me antecipadamente): sobre o futebol ser uma reprodução dos modelos das antigas guerras, fiquei pensando - "será que é por isso que o Fabiano gosta TANTO de futebol???". Explico-me: esse menino AMA futebol, e igualmente sente muito interesse por temas e filmes relacionados à guerras, ao ponto de se considerar um antigo espartano (em relação a sua firmeza e objetividade).... He, he, he! Tem que ver a garra e vontade dele quando joga futebol... Talvez isso também tenha relação, o que me ajuda muito a enteder! Ha, ha, ha...!

Um grande abraço a todos, e que possamos meditar longamente sobre o que queremos ser e como queremos estar daqui 4 anos!

Carol (SP)

Denis Soares disse...

Amigos,

Os comentários de vcs foram ótimos, e como os assuntos ainda etsão bem quentes, resolvi fazer um novo post sobre o tema, que os convido a ler.

Abraços!